sexta-feira, 22 de junho de 2012

UM ENCONTRO COM A LIBERDADE

Texto Base: Marcos 5. 1-20
 

Introdução

O ser humano por natureza está mergulhado no pecado, por esta causa é detido por pelo menos três prisões.

Aprisionado por si mesmo: O homem é aprisionado pelo “ego”, e todo pecado tem por missão satisfazê-lo (Ex: Orgulho: Exaltação do ego; Ciúme: medo de ter seu ego suplantado; Adultério: seguir as paixões e lascívias do ego; Ira: É a reação da perda sofrida pelo ego; Vícios: satisfação das carências do ego).

Aprisionados pelo mundo: O mundo é o próximo passo de quem é regido pelo ego. O mundo aqui é referente a rebeldia contra Deus que existe na humanidade, referente a tudo que é praticado que se opõe a sua vontade para a vida do homem, pelo motivo de ser também o mundo fantoches de Satanás pois é ele quem comanda toda esta rebeldia contra o Senhor, juntamente com a intenção caída do homem (Rm 3. 12; Ef 2.1, 2; Tg 4. 4; 1 Jo 2. 14; 5. 19)

Aprisionado por Satanás: Este último caso por consequência dos dois acima nos mostra pessoas que recebem em sua vida total domínio e influencia das forças malignas. Lembrando que todo pecado é a marca do Diabo nas nossas inclinações carnais i. e. na nossa carne, enquanto o fruto do Espirito é a marca de Cristo em nossa alma e Espirito.



I-           A situação deste homem e a situação dos homens em geral.

a.   Temos um homem com a imagem de Deus em sua vida totalmente deteriorada por causa da obra do diabo. Semelhante a todos os homens distantes de Deus

b.   A imagem de Deus no homem consiste em semelhança moral com Deus, ou seja, ser santo, sem pecado, amoroso e se inclinar para fazer o que é bom aos olhos de Deus.

c.   O diabo tem como intuito macular esta imagem de Deus no homem. E isto ele vem fazendo desde o Édem quando encaminhou Adão e Eva à rebelião contra Deus.

d.   Este homem não mais representava a imagem de Deus. Deus é santo e amoroso, mas ele estava impuro e repleto de ódio.



II-        Um homem oprimido.

a.   Esse homem vivia nas proximidades da aldeia de Gadara. Uma comunidade gentílica de costumes pagãos, estes são tornados notórios na narrativa através do costume de criar porcos, um animal considerado imundo diante da Lei.

                                         i.    Como as pessoas desta aldeia são todos os que estão distantes da salvação, levando em consideração o fato de não serem Judeus, e por esta causa, sem Lei e distantes da salvação, pois “a salvação vem dos Judeus” (Jo 4. 22).

b.   Este homem morava nos sepulcros e não em casa (Mc 5. 3; Lc 8. 27). Os sepulcros de gadara ficavam a margem da cidade em uma região considerada assombrada e habitação de espíritos malignos em se tratando de um cemitério. O homem sem Deus vive em meio a podridão da pornografia, do adultério e da imoralidade.

c.   Não usava roupas. Pois a intenção do diabo é tirar a moral e a vergonha da uma pessoa (Lc 8. 27).

d.   Era impelido pelos demônios a lugares desertos (Lc 8. 29).

e.   Feria-se com pedras (Mc 5. 5). Neste fato o corpo do homem é atingido, pois o diabo também visa em destruir aquilo que pode se tornar morada do Espirito Santo, levando o homem a condenação (1 Co 6.19; 3. 17)

                                         i.    Formas que o diabo usa para destruir o corpo: Bebida alcóolica, cigarro, crack, cocaína, maconha.

f.    Ele era preso com algemas e correntes (cadeias e grilhões). Esta é forma que a sociedade utiliza para tentar sanar o problema do homem, colocando nele algemas. Defino como algemas toda ação paliativa para a resolução do problema do pecado, que não seja Jesus. Podiam até prender ele com algemas, mas não podiam tirar dele os demônios.

                                         i.    Assim é as religiões, podem até fazer pensar que está tudo bem, mas o pecado ainda está lá. As algemas se assemelham a um anestésico, pode até dar jeito a dor, mas a enfermidade ainda está lá. Ex: a morfina usada para o tratamento do câncer.



III-     Um homem Liberto.

a.   Era comum este homem espantar todos os que se aproximavam daquela região (Mt 8. 28), porém neste momento quem estava alí era que tinha o poder de os espantar, pois seu poder sobre os demônios era símbolo da queda plena de satanás através da morte de Jesus no calvário (Cl. 2 15).

b.   Jesus fez por ele o que as algemas e correntes não fizeram, deram a libertação daquele homem e não somente amenizou o efeito daquela opressão.

c.   Jesus devolve ao homem tudo que ele havia perdido:

                                        i.    O autocontrole (Mc 5. 15), ele estava assentado.

                                      ii.    A consciência (Mc 5. 15), em perfeito juízo.

                                    iii.    A reputação (Mc 5. 15), estava vestido.

                                     iv.    A Família (Mc 5. 19), Jesus disse “vai para tua casa”.



IV-       Conclusão.

a.   Não existe outro meio de restauração para a vida do homem mergulhado no pecado e fragilizado pelo diabo. Jesus é o único meio (Jo 14. 6; At 4. 12).

b.   Jesus veio desfazer as obras do Diabo (1Jo 3.8).

c.   Portanto aquele que se achega a Deus por meio de Cristo recebe dele uma nova vida para viver, livre do domínio do pecado e das influencia malignas de Satanás, pois “quem é de Deus o maligno não o toca” (1 Jo 5. 18).

domingo, 10 de junho de 2012

AVIVAMENTO EM SAMARIA

“Entrementes, os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra.  Filipe, descendo à cidade de Samaria, anunciava-lhes a Cristo.  As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo-as e vendo os sinais que ele operava.  Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados.  E houve grande alegria naquela cidade.”
Atos 8:4-8

Esta meditação visa mostrar o grande avivamento ocorrido em Samaria, pelo ministério de Filipe. O companheirismo dos apóstolos, representados por Pedro e João mostra o ardente desejo dos mesmos na prosperidade da obra de Deus. Também falaremos da história da conversão de Simão. O poder do evangelho sobre o poder das trevas.
O AVIVAMENTO EM SAMARIA:
À medida que havia o crescimento da igreja, a perseguição aumentava cada vez mais. Providencialmente, Deus permitiu que tudo acontecesse, com o fim de que o evangelho fosse conhecido nas regiões mais remotas. Judéia e Samaria (At 8:1).
Filipe em Samaria: Filipe chega à Samaria realizando um grande despertamento espiritual, através da mensagem do evangelho. Samaria, cidade onde certa vez Jesus havia sido rejeitado (Lc 9:52-55), estava tendo mais uma chance, além da ocorrida com o encontro de Jesus com uma mulher que fora tirar água do poço de Jacó e após um diálogo com o Senhor tornou-se uma grande missionária na cidade de Sicar. Agora, numa terceira tentativa, Deus envia Filipe à Samaria, para pregar a palavra.
O perfil do Evangelista: A mensagem que Filipe pregava era cristocêntrica. O objetivo era falar exclusivamente de “Cristo Jesus”. O resultado disso era o seguinte:
  • Atraía a atenção do povo;
  • O povo de Samaria ouvia atentamente a sua pregação;
  • O povo via os milagres que se faziam (coxos e paralíticos eram curados);
  • Houve muita alegria naquela cidade.
SIMÃO, O ENGANADOR:
Pelo que se vê, Samaria era uma cidade totalmente dominada pelo reino das trevas. Prova disso, é que o homem mais conceituado entre o seu povo, era um feiticeiro mágico. Sua magia atraía até então todos os moradores que escutavam com muita atenção o que ele dizia. Simão fazia uso disto para sua auto-promoção (vs 3); e era tido por todos como “O grande poder de Deus” (vs 10). Quando Filipe chegou à Samaria, veio com ele o “Verdadeiro poder de Deus”. Logo, Simão foi desprezado, e Filipe, cheio do espírito Santo tomou conta da situação.
A conversão de Simão:(vs 12 e 13)Juntamente com a multidão dos que creram, e foram batizados em águas, o próprio Simão também creu, e batizado, passou a estar de contínuo com Filipe. Simão, vendo os milagres e maravilhas que se faziam pelo ministério de Filipe, ficou atônito e admirado.
O ESPÍRITO DE COOPERAÇÃO E COMPANHEIRISMO DE PEDRO E JOÃO:
As boas notícias de Samaria chegaram à Jerusalém, e logo os apóstolos enviaram Pedro e João, com a finalidade de cooperarem com êxito naquela obra. É interessante observar, que com a dispersão dos cristãos de Jerusalém por todas as partes do mundo, a impressão que restava era que a igreja de Jerusalém havia acabado, mas os apóstolos não saíram de Jerusalém (vs 1).
Pedro e João ministram sobre eles o Espírito Santo: Faltava para os novos convertidos na igreja em Samaria, receberem o batismo com o Espírito Santo. Pedro e João tinham a incumbência ordenada pelo Senhor para suprir esta carência. (vs 15 a 17). Depois disto, Pedro e João retornaram a Jerusalém.
A missão de Filipe em evangelizar Samaria, foi decididamente aceita pelos apóstolos, contando inclusive com a preciosa cooperação de Pedro e João, deixando-nos um claro ensino de que o evangelho de Jesus Cristo, não era somente para os Judeus, mas também para os Gentios.

domingo, 3 de junho de 2012

A VERDADEIRA ADORAÇÃO - PARTE 1

"No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura.
Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade".
João 4:23-24

As palavras de Jesus são enfáticas em relação a adoração. Ele trata a adoração como algo que não se compõe de ritos e independente de lugar. Ele mostra a adoração não como momentos mas sim como uma vida.

Diferentemente do que muitos pensam adoração não é louvar. Adoração consiste em uma vida de submissão e devoção ao Senhor e não em um simples levantar de mão ou do cantar de uma musica.

A adoração é algo puramente espiritual como disse Jesus. E esta adoração é algo profundo pois vem da parte imaterial do homem e não da parte carnal.

Muitos por ai adoram em carnalidade e em mentira, e não em espirito e em verdade. Estão equivocados pensando que por que durante o entoar de uma musica eles elevam seu pensamento a Deus, pensam que isso é adorar. Mas em detrimento a isso a sua vida é de rebeldia e desobediencia a palavra e a vontade do Senhor, é uma vida carnal e distante dos planos de Deus. Uma "adoração" onde a ênfase dada é a manifestações corpóreas não é adoração, pois a intenção é a satisfação da carne, é fazer na igreja o que não pode fazer declaradamente no mundo.

A frase "em espirito" evoca para nosso estudo Rm 12. 1-2.

"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus."
Romanos 12:1-2
O termo grego usado para a palavra racional é logikos, que na maioria das versões em portugûes é traduzido como tal, mas o que Paulo estava querendo dizer com esta expressão era, algo autêntico e ESPIRITUAL, mostrando que nossa vida deve ser de inteira adoração ao Senhor dia após dia.
 O apóstolo mostra que devemos apresentar o nosso corpo como sacrifico VIVO, SANTO e AGRADÁVEL a Deus. E não morto, profano e dasagradável. Por isso que no verso dois ele fala para não nos moldarmos segundo os padrões do mundo, pois este tem padrões mortos, profanos e desagradáveis a Deus. E muito dessas coisas têm sido propaladas em nosso meio. Uma adoração profana e mundana, aonde a êfase é na personalidade que canta ou que prega em detrimento ao Senhor.

A palavra adorar vem do grego, esta palavra do grego koiné “Proskuneo” que significa reverenciar ou homenagear. É usada cerca de 59 vezes no Novo Testamento para indicar a comemoração que rende a uma pessoa ao prostrar-se a seus pés. Também indica o fato de prestar homenagem ou tributo divino (Mateus 4:10, João 4:20-21, Hebreus 1:6). Sua tradução literal seria: “Beijar a mão ou o piso diante de”. Neste sentido é mais esclarecedor que o vocábulo usado no Antigo Testamento mais de 170 vezes para indicar adoração, “Shachah” e que se traduz literalmente como inclinar-se, cair diante de, prostrar-se, ajoelhar-se. Beijar denota contato, aproximação, relação. Pode-se reverenciar ou homenagear à distância, mas o beijo requer aproximação, contato.

Em relação a Deus adoração é uma vida de continua busca pela sua presença, assim como Marta diante de Jesus (Lc 10. 38-42).
Então muitos que usam este texto para avalizar certas práticas mundanas dentro da igreja acabam vendo seus argumento ruirem aqui, pois adorar não é ter uma uma vida distante de Deus e na hora de um louvor pensar em Deus, até meditar na letra da musica, chorar mas se não vive agradando a Deus ou dalí em diante a vida não ser de inteira devoção ao Senhor, isso não foi adoração.